ESCREVER É UM VÍCIO QUE NÃO QUERO CURAR NUNCA.

1 de julho de 2012

Loucura.

 O amor, nos faz de marionetes, nos joga para todos os lados,
faz com que acreditemos no impossível, quando ele não acontece,
não mais amarei com minha alma, sua dor transplanta o universo,
suas lágrimas dilaceram o espirito, chega de estar acorrentada ao amor...
Viverei as paixões fulminantes, tendo por nome amantes, me entregarei a luxuria dos deuses,
não mais derramarei lágrimas, apenas gozarei da vida o seu melhor.
De certo que o amor me tentará novamente, e a ele não enxergarei,
derramarei meus sonhos no balsamo da serpente, tão venenosa e cruel,
meus segredos se escondem por entre as teias de um castelo assombrado,
serei meu próprio refém, tomarei o mais doce liquido das tumbas esquecidas
o néctar do prazer, lascivo, um ode extasiante,revestido de versos macabros.
 O amor, me aprisionou, e a ele deleto de meu ser, sem hora marcada, nem tempo algum,
não mais serei sua presa, apenas vou-me rir, quando ele não mais me achar...
dedico ao amor versos cruéis, pois ainda o sinto em mim...



Nenhum comentário:

Postar um comentário