ESCREVER É UM VÍCIO QUE NÃO QUERO CURAR NUNCA.

4 de julho de 2011

SEM PERFUME.


A noite era fria e sem luar
As rosas choravam sua dor
Como que com gotas de orvalho
Estavam molhadas suas pétalas

Assim minha face que não tem brilho
Refletia a dor sem perfume
Dos sonhos vividos e perdidos
Do amor mentiroso que acreditei

Meus versos tristes sem rima
Na longa noite de insônia
É o espírito que chora aflito
Sem rumo ou caminho

O que me resta são lágrimas
Misturadas as palavras tristes
As quais deixo soltas em versos
Num pobre poetar, sem perfume...


Nenhum comentário:

Postar um comentário