ESCREVER É UM VÍCIO QUE NÃO QUERO CURAR NUNCA.

26 de fevereiro de 2011

TRISTE POEMA.


Sufocada minha alma
Não sabe o que é ser feliz
Anda triste a acabrunhado
Sente o peso da solidão

Olho o passado sofrido
Parece não haver libertação
Sou prisioneira de mim mesma
Carrego as correntes da dor

O coração parece que sangra
Diante das tristes recordações
São infinitas horas de terror
Convivendo comigo mesma

Meu espelho está negro
Diante do reflexo sombrio
As horas estão marcadas
Em compassos silenciosos

Sou o fantasma de um ser
Que não aprendeu a sorrir
Não há luz a brilhar
A noite é abundante


Agora mergulho em versos
Traduzindo essa angustia
Sem usar mascaras colorida
Exponho o corpo cansado

As Letras são ilegíveis
Num poema sem cor
Não há arte nas palavras
Apenas desilusão...

Sou o poema de mim mesma
Sou a letra solitária...
  
ANGELA SOUZA(26/02/2011)  



Nenhum comentário:

Postar um comentário