ESCREVER É UM VÍCIO QUE NÃO QUERO CURAR NUNCA.

19 de novembro de 2010

Agonia.

O silêncio da minha mente
Anunciava a neblina na alma
Obscurecida a visão, sem cor
Denunciava minha dor
Meu encontro com você
Deixou-me solitária de mais
Voltei a mim mesma, calada...
Sou minha própria razão em confusão
Deitada na amargura das emoções
Sombrias e gélidas, nesse corpo
Cansado de sofrer a triste
Derrota de ser deixada por você.
Meus versos novamente
Traduzem uma mulher que não soube
Sobreviver livre desse querer
Pois você tornou-me a alma vazia que sou
Prisioneira da dor desse maldito amor
Que como um carcereiro algoz
Acorrenta-me na angustia total
Dedico a você minha alma sangrando
Num luto constante diante do poeta
Que não soube amar...



Nenhum comentário:

Postar um comentário