ESCREVER É UM VÍCIO QUE NÃO QUERO CURAR NUNCA.

6 de outubro de 2010

Trilhos da Vida.


A lua estava cheia e eu vazia na alma
buscava saber onde estava dentro desse contexto
chamado vida... Louca ou cruel... A vida!?
Eu num emaranhado de rosas negras, cobertas de cinzas
tamanha tristeza que encobria meu ser nessa noite,
vagava ali sem rumo, nos trilhos dessa loucura toda
sentei sem querer reagir, não entendia a dor da alma
os delírios que me acometiam, sem um por que,
desesperança total...
Caminhos tortuosos, num emaranhado de dor
absoluto mundo das trevas, era como se estivesse
dentro de uma taça de vinho onde segregava a serpente
dominante da embriagues...
Minha falta de lucidez levou-me a não reação,
um poeta da dor, na imensidão de tantos
versos de amor.
Mas eu jogada ao desamor na desilusão
de um coração completamente partido em pedaços
zanzava sem rumo ou direção, somente alucinada
naqueles escuros trilhos da maldita dor da vida cruel...

3 comentários:

  1. Inmteressante poesia e foto. E os trilhos da vida mostram os vários caminhos. Agora, meditar num trilho não é muito legal em minha opinião.

    ResponderExcluir
  2. Meditar nos trilhos da sentido a um lado sombrio do poema, aquele que leva ao desespero total...Obrigada pelo comentário.

    ResponderExcluir
  3. Posso sentir o q sentiu ao descrever tão claramente! <3

    ResponderExcluir