ESCREVER É UM VÍCIO QUE NÃO QUERO CURAR NUNCA.

31 de outubro de 2010

TRANSFORMAÇÃO.

Navegava em mares
Desconhecidos
Outrora obscuros
Sombrios e gélidos

Como o frio de minha
Solitária alma
Vagando sem rumo
Na inércia da vida


Quando me deparei com
Algo novo e meu insone
Ser insano, delirante
Acordou e ancorou

Num porto seguro
Cheio de luzes e cores
Com som e sabor
Inerente se tornou o porto do amor

Onde minha alma
Agora leve e livre,
Transformou-se
Na pureza desse ser,chamado amor...




Um comentário: