ESCREVER É UM VÍCIO QUE NÃO QUERO CURAR NUNCA.

10 de outubro de 2010

O amor demorou.

Tivesse o amor sido tão pontual
como a morte que não se atrasa
o coração não teria sangrado
e estilhaços de dor, seriam reservas
diante do amor e sua grandeza
mas ele se atrasou e o tempo
não perdoa  e acorrentou a paixão
no calabouço escuro da alma vazia
onde a solidão é plena e intensa
Quando o amor ali passou
encontrou  o breu em lágrimas
e assustado se retirou, não ficou
deixou apenas a desilusão
de um tempo que não era hora de ser...
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário