ESCREVER É UM VÍCIO QUE NÃO QUERO CURAR NUNCA.

23 de outubro de 2010

METAMORFOSE.

Lancei meu olhar no horizonte                                            
tão longe eu estava de mim
um ser em constante mutação
nessa metamorfose
fico ilhada em meus sentimentos
minha personalidade é dúbia
dizem que sou louca
pois tomo café sem açúcar
um dia sou agito e outro tranquilidade
sou como o sol e ao mesmo tempo noite
nesse vai e vem, como em um trem descarrilado
vou desgovernada em meus passos
desejos e paixões alucinadas
amor, ódio e frustrações
um conjunto de meu ser
monstro dormindo dentro de mim
emoções complexas e reflexos de meu ser
lá no horizonte meu ser está sozinho
reconhecível, como um misto na mitologia
como saber quem sou, nesse universo
confuso de minha alma sofrida...

Um comentário: