ESCREVER É UM VÍCIO QUE NÃO QUERO CURAR NUNCA.

12 de setembro de 2010

Emaranhado.

Não tenho linhas,
nem entrelinhas,
sou um fio solto
num novelo enroscado
com emaranhados
de sentimentos.
Um escorpião de Novembro
que deleita-se com o frio
na cor vermelho me encontro
com o fogo da paixão,
não quero amarras,
desato os nós
não me prendo,
sei perdoar,
acabei de me encontrar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário