ESCREVER É UM VÍCIO QUE NÃO QUERO CURAR NUNCA.

21 de setembro de 2010

Dama da noite.

Vestida com véu negro,
andei pela cidade
buscando encontrar
o fio da meada,
cortei sonhos
arrasei desejos
bebi desilusões
entreguei meu prazer.
Virei a noite sofrendo
ganhando e perdendo
subi alamedas
desci escadas
corri contra o tempo,
me despi na lua
cansei de chorar,
minhas unhas desbotadas
mostravam emoções
de um lobo vestido
na pele de cordeiro
gerenciando a noite
aflita de horrores
Meu vestido roxo
mostrava minhas pernas
desfiguradas pelo tempo
o batom já gasto
tomava um café
final da noite
a vida em seu ritmo
até a dama da noite reviver...

Um comentário: