ESCREVER É UM VÍCIO QUE NÃO QUERO CURAR NUNCA.

27 de agosto de 2010

Pai.

A chuva insiste em cair, no meu rosto e na rua...
Molha a terra e minha face, num momento de saudade
de alguém que partiu a três anos, meu pai, quantas coisas a recordar,
quantas faltaram ser ditas, quantos afagos na cabeça grisalha no momento
em que bravamente enfrentavas a dor que te acometia, sem esperança de melhorar,
teu tempo estava chegando ao fim e eu ali sabendo disso, mas não poderia transparecer
minha angustia por tua partida, que chegaria em questão de dias, como a médica me falou,torturava-me e a dor era grande, mas precisava mostrar esperança, para que seus últimos dias fossem tranquilos dentro do possível...
Agora passado o tempo, lembro do seu choro como menino...Meus olhos enchem de lágrimas, pois a saudade é grande, minha dor persiste, então tento lembrar do seu sorriso alegre do bons momentos,mesmo no hospital cheio de esperanças...Meu querido e amado pai...Sonhei com você...Saudades.

Nenhum comentário:

Postar um comentário