ESCREVER É UM VÍCIO QUE NÃO QUERO CURAR NUNCA.

28 de julho de 2010

Há mocidade dourada ,
que o tempo levou
nas asas de anos,
que passaram como pássaros
imigrando nas estações,
imemorável foi o sofrimento
de tempos que não voltam.
Imergir em novos sonhos
de um futuro incerto em um
novo amanhecer da maturidade,
presente e coisas que virão,
trazendo novas estações em
minha vida,que as vezes cansada
pede passagem para registrar momentos
de recordações agradáveis como a aurora,
deixando esquecidos os outonos frios
e solitários,como as folhas que sozinhas
e amareladas se espalham ao vento...
Há mocidade que não volta,viverei
agora meus minutos sonhando acordada
com alegrias que colherei,como as
belas margaridas em meu jardim do amor
e os girassóis nos campos de minha vida...
E verdes folhas ficaram em seus lugares,
como eu ficarei aqui esperando novas alvoradas
e noites enluaradas,até o tempo levar embora
a névoa da alma sofrida pela ilusão perdida...
Há mocidade...

Nenhum comentário:

Postar um comentário