ESCREVER É UM VÍCIO QUE NÃO QUERO CURAR NUNCA.

12 de novembro de 2008

Rascunhos da vida ( parte 2)

Eu estava pensando, no processo de nascimento das borboletas, tudo começa com um casulo, por um período é o local onde elas ficam, até chegar o tempo em que belamente elas se tornam em lindas borboletas, voando livres até se cumprir o ciclo de suas vidas. Elas encantam com sua beleza, trazendo alegria, cores diversas, uma fragilidade encantadora, quem não gosta de admirá-las?Pois é, pensando nelas fiquei me vendo dentro de um casulo por muitos anos, sem conseguir me libertar de coisas que me impediram de crescer emocionalmente, tudo se resumia em choro,dor e em constante tão sem força que acabava caindo,voltando a ficar na mesma, e sem a liberdade das borboletas. Ser depressivo é muito mais do que uma simples tristeza, é ter a palavra não como grande aliada, não posso, não quero,não consigo,é ver tudo cinza nada de cores, vida, alegria (o que é isso?) é não ter respostas pra nada, é complicar o simples, não sonhar, se achar tão insignificante que ninguém nota a nossa presença, sentir-se uma gota num deserto,é ter a sensação de se estar sempre sobrando,é não merecer nada de bom, é preferir só a cor preta, um negativismo só. E quando essa depressão é bipolar, fica até mais complicado descrever, o que realmente É. Èum turbilhão de emoções. 01/11/08 17.48

É perder a identidade, pois no mesmo instante que somos sol, nos tornamos noite, tão profunda e escura que chega a dar medo, de não saber se novamente o sol vai brilhar e quando brilha é tão forte que chega ofuscar, è um desequilíbrio só. As emoções sobem e dessem, num vai e vem alucinante, quase que frenético. Se hoje a felicidade è exagerada, amanhã é a tristeza que vem com uma força arrebatadora, profunda, parece que estamos num poço tentando escalar sua parede e quando parece que vamos chegar ao topo caímos novamente, mais fundo do que a primeira vez e a escalada parece não ter fim. Chegamos a ficar cansados, de tanto tentar e falhar, nessa luta me sentia tão esgotada que achava quase impossível vencer as crises,que eram tão freqüentes.Hoje depois de alguns meses de tratamento sinto-me mais estabilizada emocionalmente mais sei que a luta não acabou,a cada dia fico pensando como vai ser sol ou noite,brilho ou opaco.Tenho medo de não conseguir me achar e nunca mais saber quem eu sou.Minhas qualidades,meus sonhos,personalidade,enfim tudo que marca nosso ser.Ainda estou me conhecendo,mesmo estando completando quarenta e cinco anos,tenho muito que aprender a meu respeito,mais sei que vale a pena ser eu mesma,ir ajustando o que precisa,como diz a música do Roberto “é preciso saber viver,saber viver.03/11/08 22:40

E nesse sobe e desse entra em jogo uma outra questão, a de estar só, ou seja, o lado afetivo. Sempre pensei que o relacionamento a dois é feito de trocas, pegamos a nossa bagagem de vida e juntamos com a da outra pessoa, mais para isso é preciso estar o mais completos possível, embora sempre estejamos nos conhecendo melhor, mais eu quero dizer, termos o que oferecer a outra pessoa, somar, dividir, multiplicar e não só sugar os sentimentos do outro. Talvez eu esteja errada, mais no meu caso não posso oferecer no momento o que eu não tenho instabilidade emocional. Sei que estou chegando, que finalmente estou amadurecendo emocionalmente e quem sabe pronta para vencer o medo e encontrar alguém, com quem posso somar e não me tornar um fardo devido a minha bipolaridade. Estou aprendendo a conviver com esse monstro que habita em mim, não espero obter perfeição,mais sim saber amar e me deixar ser amada.Sei que para as pessoas que convivem comigo é difícil entender isso pois querem o meu bem,mais até hoje não consegui encontrar alguém que me fizesse realmente querer dividir minha bagagem de vida,muito menos as escovas de dentes.Tenho plena certeza de que para tudo tem um tempo certo,não falo em destino,mais sim,em tempo mesmo,de se estar pronto para saber reconhecer a pessoa certa,aquela que nos torna pessoas melhores,nos enriquece,está disposta a nos compreender,suportar nossas falhas,que torna possível expressarmos o que sentimos ou seja que aja a troca de sentimentos.Para nós mulheres bipolares,um homem disposto a nos amar mesmo sabendo que as vezes vai se deparar com o nosso trem desgovernado de emoções e entender que ao nosso lado viverá sempre novos desafios.Olhando pelo lado bom,se é que ele existe,dificilmente cairá na rotina,certo?Com certeza precisa ser um companheiro muito especial. Acho que vale a pena esperar, mesmo que o tempo passe, as rugas apareçam, os cabelos fiquem grisalhos e tenhamos que sacrificar algumas coisas, o que eu acho que não vale a pena é sermos precipitadas, amar vale a pena e não é necessário sermos jovenzinhos para isso, basta sabermos sugar da vida o seu melhor no tempo certo. Quantas pessoas conhecem que por medo da solidão, por não se conhecerem, não se permitirem esperar, acabaram dando um mau passo e hoje estão sozinhas, pois o seu precipitado relacionamento não deu certo ou passam o resto.

De suas vidas tentando,tentando,repetindo os mesmos fracassos vez, após vez.

. É claro que existem muitos casos em que cedo na vida pessoas se encontraram e vivem juntas por toda uma vida, mas com certeza o amor aconteceu no momento certo de suas vidas, é a velha estória, cada caso é um caso.

O que quero dizer é que nunca devemos buscar um relacionamento, só para não ficarmos sozinhos ou porque mesmo os mais bem intencionados não gostam de nos verem s.

Ó.Aoutra pessoa que fará parte de tudo isso também quer ser amado e ninguém merecer ser usado para suprir algo na vida de outro. Se queremos ser amados, precisamos saber amar e essa é a maior troca em um relacionamento. Portanto devemos permitir que isso aconteça quando soubermos o que queremos e quem somos bipolares ou não, nunca devemos pensar só em nosso bem estar, nos nossos sentimentos, o egoísmo leva a dupla infelicidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário